A pele passa por diversas modificações conforme os anos passam. A exposição ao sol, os hábitos diários e o processo natural de envelhecimento causam alterações progressivas. Se não forem praticados cuidados desde cedo, associados a tratamentos dermatológicos, a tendência é de que a pele apresente vários sinais indesejados antes da hora.

 

Muitas mulheres reclamam do melasma. Essas manchas são conhecidas nos consultórios dermatológicos e se caracterizam por serem de coloração acastanhada ou enegrecidas nas áreas que sofrem maior exposição solar, como a testa, as maçãs do rosto e o buso. Esse aumento ocorre devido ao sol e, também, à predisposição genética e ação hormonal - o que explica porque o melasma é tão comum na gravidez. Aproximadamente 50% das gestantes sofrem desse problema. Afinal, tem cura? O que pode ser feito para melhorar essa condição da pele?

O verão já chegou, mas nem tudo é alegria. Afinal, essa estação também é conhecida pelas doenças de pele causadas pelo calor excessivo, que variam desde brotoejas a problemas mais sérios como queimaduras. O protetor solar, nesse sentido, é alvo de dúvidas constantes: afinal, vale a pena comprar o fator 60 no lugar do 30?