O lóbulo da orelha é uma região bastante delicada, formado basicamente pela gordura da pele. A falta de cartilagem não confere a sustentação necessária para o uso de brincos mais pesados ou alargadores: o lóbulo, então, escapa. Com isso, os acessórios podem formar um furo muito grande ou rasgá-lo. A predisposição natural é outro fator importante, porque existem muitas pessoas que não apresentam nenhum problema; outras, mesmo usando acessórios leves, acabam danificando a área. 

 

Para realizar o procedimento de lobuloplastia, você vai precisar de anestesia local no próprio consultório, sem necessidade de sedação ou internação hospitalar. Há vários tipos de técnicas que podem ser aplicadas. Em geral, a mais utilizada é a sutura, em que as partes rasgadas são juntadas e costuradas. O paciente é liberado no mesmo dia, em aproximadamente uma hora. É recomendado evitar esforço físico. Os pontos devem ser retirados no prazo estabelecido pelo médico, variando conforme o caso - normalmente, de sete a dez dias após o procedimento. 

 

Depois da retirada dos pontos, a cicatriz resultante pode ficar com aparência avermelhada, que melhora ao longo do tempo até ficar praticamente imperceptível. Após a orelha ser reconstruída, recomenda-se que o furo para uso de brinco não seja feito na mesma região da sutura, pois a pele fica mais fina e sensível, com riscos de haver novos rasgos. No caso dos alargadores, é aconselhado utilizar o acessório em um diâmetro menor do que o anterior, evitando a pressão na área operada.