As estatísticas do Instituto Nacional do Câncer revelam uma realidade preocupante: surgem, por ano, 180 mil novos casos da doença. Por isso as campanhas são tão importantes, já que conscientizam e, assim, permitem a redução desses números. Neste ano, a principal peça da campanha é um filme que narra a história de luta e superação de Hélio, Mário e Ricardo, pacientes respectivos de carcinoma basocelular, carcinoma espinocelular e melanoma, tipos de cânceres de pele. Aproximadamente 90% dos casos são de carcinomas (tumores de baixa letalidade), mas que são responsáveis por cerca de 1.900 óbitos anuais no país. 

O câncer menos frequente é o melanoma, mas é o mais perigoso, causando 1.700 óbitos por ano. Os dermatologistas já têm conhecimento da doença e sabem que a prevenção é o segredo, o que torna a conscientização ainda mais importante. Entre as ações da campanha, também está prevista a divulgação das hashtags #DezembroLaranja e #SinaisdoCancerdePele. Dia 7 de dezembro ocorre uma das principais ações, em que cerca de quatro mil dermatologistas realizarão atendimento gratuito para diagnosticar a doença. As consultas acontecem em cerca de 130 postos de saúde, mutirão que já é feito desde 1999, beneficiando 600 mil pessoas: neste ano, a previsão é de que 30 mil sejam beneficiadas. 

Descoberta no início aumenta em 90% a chance de cura

Quando diagnosticada em fase inicial, a doença tem mais de 90% de chance de cura. A exposição excessiva ao sol, sem proteção solar,é o principal motivo de risco para seu desenvolvimento, podendo se manifestar através de uma pinta ou mancha. A SBD orienta que as pessoas se examinem com regularidade, consultando periodicamente um dermatologista.

Ao se expor ao sol, a proteção é fundamental: as recomendações básicas consistem na adoção de medidas fotoprotetoras. Evite horários de maior incidência - das 9h às 15h -, invista em chapéus, óculos de sol com proteção UV e procure locais de sombra. Capriche no protetor solar e hidrate a pele regularmente.